Como as tecnologias mudaram o mundo

sábado, 12 de outubro de 2019 |

De 1800 para hoje o mundo ficou irreconhecível.



Inúmeras inovações tecnológicas que alteraram o modo como trabalhamos, nos divertimos, reproduzimos e imaginamos a sociedade. Recordando algumas inovações, escreva uma apresentação no Google Drive, explicando como as tecnologias contribuíram para mudar os mundos...
... do trabalho
... do lazer
... da família
... e a nossa concepção do mundo e dos outros

Programas das Legislativas 2019

domingo, 29 de setembro de 2019 |

Apresentação

IDEIAS CHAVE DA PROPAGANDA PS/PSD

Construção de projectos pessoais e sociais

sexta-feira, 13 de setembro de 2019 |

Objectivo(s):

  • Explora recursos para uma gestão prospectiva e eficaz da vida pessoal.
  • Convoca saberes e novas formas de gestão profissional para a resolução de problemas complexos.
  • Coopera e planifica projectos colectivos, em contextos não directivos e não formais.
  • Mobiliza competências e altera comportamentos à luz de novos contextos de incerteza e de ambiguidade.
Conteúdos:

Processos e técnicas de negociação

|

Objectivo(s):

  • Integra opiniões divergentes, revelando abertura e receptividade.
  • Reconhece e assume a assertividade como factor de mediação de conflitos entre vida pessoal e profissional.
  • Assume a importância da participação em instituições deliberativas, reconhecendo os seus mecanismos de funcionamento.
  • Distingue e aplica formas democráticas de intervenção pública.
Conteúdos:

Tolerância e mediação

|

Objectivo(s):

  • Age sobre a diversidade e a diferença com tolerância, enquanto valor democrático consciente.
  • Intervém aplicando princípios de negociação em contexto profissionais.
  • Reconhece a comunidade política enquanto representativa de um projecto de intervenção plural.
  • Participa activamente na mediação intercultural, enquanto factor de gestão de tolerância e de abertura moral.
Conteúdos:

Reflexão e critica

|

Objectivo(s):

  • Identifica as condicionantes pessoais de preconceito e age com vista à sua desconstrução.
  • Reconhece a importância de uma cultura de rigor no desempenho profissional, como uma nova atitude de civismo apurado.
  • Distingue modelos institucionais de escala local e nacional e respectivas atribuições.
  • Interpreta criticamente os mecanismos de formação de estereótipos culturais e sociais, com vista a um distanciamento crítico.
Conteúdos:

EFA, PT/UE: retrato estatístico de uma década

quinta-feira, 18 de outubro de 2018 |

O que se alterou em dez anos em termos da participação da população adulta em educação e formação e que grupos populacionais mais contribuíram para as mudanças identificadas? Que alterações ocorreram no conhecimento de línguas estrangeiras? Que impactos têm a educação e formação na vida das pessoas, designadamente no seu rendimento? Quais os efeitos da escolaridade dos pais na trajetória de educação dos filhos? Estas são algumas das questões que orientam a análise dos resultados.

O Inquérito à Educação e Formação de Adultos (IEFA) é uma operação estatística realizada em todos os Estados-Membros da União Europeia (UE-28) que teve a sua terceira edição em 2016, na sequência das edições de 2007 e 2011. Vamos utilizar este material para reflectir sobre as questões acima, entre outras, comentando esta apresentação, extraída do IEFA. O conceito de aprendizagem ao longo da vida (ALV), em linha com as orientações do Eurostat, compreende a participação em alguma atividade de educação formal – ministrada em instituições de educação, conducente a um nível de escolaridade – ou não formal – atividade organizada de formação, profissional ou outra, numa dada área de competências, mas que não equivale a um nível de escolaridade. A ALV inclui ainda o conhecimento de línguas e a aprendizagem informal, que decorre das atividades da vida quotidiana relacionadas com o trabalho, a família, a vida social ou o lazer, numa base de autoaprendizagem, mas com um intenção deliberada de aprender. Este tipo de atividades distingue-se das anteriores – educação formal e não formal – por não envolver um professor, monitor ou equivalente, e sobretudo pelo seu carácter intrinsecamente individual, voluntário e auto-organizado. (sic)